Podcast Vivaeco destaca ações ambientais do DNIT

O podcast VivaEco ganhou as ondas do mundo virtual e no sétimo episódio da série entrevistou o educador Ambiental Cauê Canabarro, da equipe da Gestora Ambiental (STE S.A.) que abordou as ações ambientais desenvolvidas pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) na duplicação da BR-116/392. o No programa da Ecosul  ele lembrou que para que o desempenho da Gestão Ambiental seja eficaz, é preciso que todos os atores envolvidos no empreendimento estejam comprometidos.

Programa entrevista o educador ambiental Cauê Canabarro e resgata ações da STE nas obras de duplicação da BR-116/392
(Foto: Larissa Martins)

Além dos desafios desse trabalho, Cauê falou sobre as experiências vividas pela equipe ao gerir os 18 programas que tem o objetivo de garantir que o empreendimento possua um bom desempenho nesta área tão essencial para qualidade de vida sustentável. Entre as curiosidades, a descoberta de uma paleotoca na região de ação do projeto, onde foi descoberto que há aproximadamente 10 mil anos, uma espécie de tatu gigante viveu nesta região sul do Estado. 

HISTÓRICO – No ritmo da inovação a Ecosul lançou em 2020 mais um canal de comunicação para orientar e aproximar os usuários do Polo Rodoviário Pelotas aos serviços da empresa. O podcast VivaEco é gravado na rádio interna da concessionária, mantendo assim, qualidade de gravação em áudio. Os episódios estão disponíveis em diversas plataformas de áudio: Spotify, Deezer, Google Podcasts, Rádio Public, Anchor, Breaker, Pocket Casts, Spreaker, Podcast Addict, Podchaser entre outros. A maneira ágil de acessar é pelo caminho de busca, basta pesquisar por VivaEco nas plataformas.

Revista Ecosul apresenta a Operação Verão

Com tiragem de 10 mil exemplares a publicação é destinada aos usuários das rodovias e tem distribuição gratuita no Polo Rodoviário Pelotas

Foto: Larissa Martins/Ecosul

A primeira edição do ano da Revista Ecosul já circula pelo Polo Rodoviário Pelotas trazendo uma matéria especial sobre o Projeto Verão. Na sua 18ª edição o projeto foi adaptado para os cuidados da pandemia e tem foco na segurança dos usuários. O lançamento aconteceu em dezembro, na Balança do Capão Seco, em Rio Grande com o “Natal Amigo da Estrada”. A iniciativa homenageou os caminhoneiros, categoria responsável por manter a logística de abastecimento do país durante os meses mais difíceis do ano passado. Além de orientações das equipes do Serviço Médico e Resgate (SMR), eles foram recebidos com uma mesa de frutas, mini ceia de Natal e presentes para as crianças.  Ao longo dos meses de janeiro e fevereiro novas atividades estão programadas.

A revista traz ainda informações sobre a força-tarefa da campanha “Queimar apaga o futuro”, que prossegue suas ações de sensibilização. Os motoristas podem acompanhar os painéis com a indicação do risco de incêndio, no km 33 e km 37 da BR-392. Os dados são atualizados diariamente pelas equipes da concessionária, e tem como fonte o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), através do programa Queimadas. Ainda nesta edição acompanhe os avanços das obras no Contorno de Pelotas (BR-116/392/RS), com investimentos do Governo Federal, por meio do Ministério da Infraestrutura, e execução do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). Na editoria de saúde detalhes sobre o lançamento do livro “Laços da Mama”, com relatos de superação em um projeto documental da fotógrafa Kelly Schmidt. Na sessão de gastronomia a história da dentista que virou gastrônoma nos dá uma verdadeira receita de felicidade ao dividir sua paixão pela culinária. A Revista Ecosul é bimestral e tem uma tiragem de dez mil exemplares. A produção editorial é da Satolep Press, com diagramação da Nativu Design e revisão de Mariana Heineck. A publicação está disponível nos postos dos Serviços de Atendimento ao Usuário – SAUs, com distribuição gratuita.

Link para acessar a revista:

https://www.flipsnack.com/satoleppress/revista-ecosul-edi-o-jan-fev-2021.html

AMP convidada a integrar o Comitê de Enfrentamento ao coronavírus

Presidente da AMP, Clarissa Castagno, entregou Carta Compromisso da AMRIGS que sugere ampliação em torno do conhecimento médico-científico

Foto: Gustavo Vara/Ascom

A Associação Médica de Pelotas (AMP) passa a fazer parte do Comitê de Enfrentamento ao coronavírus. O convite foi feito à presidente da AMP, Clarissa Castagno, pela prefeita Paula Mascarenhas, durante visita ao Paço Municipal na tarde de hoje(13). O encontro contou com a presença da diretora científica da entidade, Maria Cristina Gonzalez e do Assessor Especial da Prefeitura, Henrique Pires. “Viemos trazer o nosso apoio ao município e oferecer a essência da nossa entidade que é a disseminação do conhecimento científico na área médica”, destacou Clarissa.

“Viemos trazer o nosso apoio ao município e oferecer a essência da nossa entidade que é a disseminação do conhecimento científico na área médica”

Clarissa Castagno – presidente da associação médica de pelotas

Na ocasião também foi entregue a Carta Compromisso da Associação Médica do Rio Grande do Sul (AMRIGS) onde sugere o fomento à discussão em torno da ciência médica e a difusão irrestrita do conhecimento médico-científico a toda comunidade.

As possibilidades de parcerias entre AMP e poder público foram tema da conversa com a possibilidade disseminar informações médicas de relevância. “Promovemos recentemente uma palestra virtual, de interesse da comunidade em geral, com a médica Raquel Stucchi, referência na área de infectologia”, ressaltou Cristina Gonzalez. Temas como a importância da aderência à vacina contra o Covid-19, entre outras pautas, deverão estar em breve no calendário da AMP. A prefeita foi presenteada com o kit contendo cervejas artesanais com rótulos que fazem referência à identidade da cidade, preparado para celebrar os 80 anos da AMP.

A prefeita Paula Mascarenhas recebeu como lembrança o kit de cervejas artesanais com rótulos de prédios pelotenses, brinde que foi enviado aos associados da entidade em alusão aos 80 anos da AMP (Foto: Gustavo Vara)

Com novo método, pesquisa sobre coronavírus terá mais duas etapas no RS

Nona e décima etapas do Epicovid19-RS irão utilizar novo método de testes que mantém sensibilidade acima de 90% para anticorpos da covid-19 mesmo em casos mais antigos de infecção

Foto: Daniela Xu

O estudo de Evolução da Prevalência de Infecção por Covid-19 no Rio Grande do Sul (Epicovid19-RS), que estima o número de casos de coronavírus na população gaúcha, será estendido em mais duas etapas, com recursos adicionais do programa Todos pela Saúde.

A próxima etapa, que será realizada de 5 a 8 de fevereiro, traz um diferencial em relação às anteriores: a inclusão de um novo teste de anticorpos para a covid-19, ao lado dos testes rápidos e entrevistas que já fazem parte dos procedimentos de coleta de dados do estudo. A decisão de incluir o método de testagem desenvolvido pela Universidade Federal do Rio de Janeiro baseia-se numa maior precisão do exame para identificar a presença de anticorpos para a covid-19, especialmente em casos de infecções mais antigas.

Em um estudo comparativo realizado pelos pesquisadores da UFPel, o teste batizado de S-UFRJ apresentou alta sensibilidade e estabilidade – em torno de 92% – para detectar anticorpos mesmo após cinco meses da infecção, enquanto os testes rápidos da marca Wondfo, já utilizados nos estudos populacionais, mostraram quedas substanciais de sensibilidade para identificar anticorpos da covid-19 depois de três a quatro meses da infecção.

“Testes sorológicos, do tipo que detectam a presença de anticorpos no soro sanguíneo, são fundamentais em contextos de surtos de doenças infecciosas. Eles têm o potencial de identificar a real prevalência da infecção, permitindo que medidas como a taxa de mortalidade sejam calculadas com precisão  e estratégias de enfrentamento da pandemia sejam tomadas com base em evidências”, diz a epidemiologista Mariângela Silveira, integrante da equipe de cientistas da Universidade Federal de Pelotas que coordena a pesquisa.

O funcionamento da pesquisa segue o mesmo: entrevistadores coordenados pelo Instituto de Pesquisa e Opinião (IPO) visitam as casas de 4,5 mil famílias em nove cidades gaúchas, para convidar os moradores a realizar os testes e responder a um breve questionário sobre ocorrência de sintomas e acesso a serviços de saúde. O estudo em andamento terá ainda mais uma etapa em abril, em data a ser definida pela coordenação da pesquisa.

“Na prática, quase nada vai mudar para quem participa da pesquisa. A partir de um único furinho na ponta do dedo do participante, os entrevistadores coletam as amostras tanto para o teste rápido quanto para o Elisa”, explica Silveira.

No caso do Elisa-UFRJ, três gotas da amostra sanguínea são depositadas em sequência em uma fita de papel filtro. Após absorção e secagem (aproximadamente 15 minutos), o material é acondicionado em sacos plásticos vedáveis e encaminhado para análise pelo Laboratório de Vacinologia do Núcleo de Biotecnologia da UFPel. O tempo previsto para processamento dos resultados é de uma semana. Para o teste rápido, uma gota da amostra é colocada no aparelho do exame, que faz a leitura em aproximadamente 15 minutos. O participante conhece o resultado na hora.

“Neste momento, precisamos das melhores evidências para estimar o número de pessoas que já tiveram coronavírus na população gaúcha. Essa informação é fundamental para monitorar o avanço da pandemia no estado e fornecer subsídio para políticas públicas e medidas de isolamento social”, comenta o coordenador geral do Epicovid19, Pedro Hallal.

O Epicovid19, único estudo populacional sobre coronavírus no mundo a realizar oito fases de acompanhamentos com a população das mesmas cidades, é coordenado pela Universidade Federal de Pelotas e pelo Governo do Estado Rio Grande do Sul. O objetivo do estudo é estimar o percentual de gaúchos infectados pela Covid-19; avaliar a velocidade de expansão da infecção; fornecer indicadores precisos para cálculos da letalidade e determinar o percentual de infecções assintomáticas ou subclínicas.  

O estudo conta com financiamento do programa Todos pela Saúde, do Banrisul, do Instituto Serrapilheira, da Unimed Porto Alegre e do Instituto Cultural Floresta.   A pesquisa mobiliza ainda uma rede de doze universidade públicas e privadas em todo o estado: Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA); Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos); Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc); Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ); Universidade Federal de Santa Maria (UFSM); Universidade Federal do Pampa (Unipampa/Uruguaiana); Universidade de Caxias do Sul (UCS); IMED e Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS/Passo Fundo), Universidade de Passo Fundo (UPF) e Universidade La Salle (Unilasalle).

Fonte: Assessoria de Imprensa Epidemiologia UFPel

Carta às mães de UTI

Angústia, palavra que as mães de UTI conhecem tão bem. Essa sensação que fez parte das nossas histórias foi a protagonista dos últimos tempos nesse mundo revirado pela pandemia.
Durante os meses que vivemos até aqui, nossos corações seguiram em suspenso. No momento em que o Brasil alcança o escandaloso número de 200 mil vidas perdidas para o Covid-19, elevamos a voz.

Foto: Nauro Júnior


Nunca as UTIs estiveram tão presentes nos noticiários. Aquele lugar que foi a primeira morada de muitos dos nossos filhos assusta, petrifica. Sabemos bem!
O sentimento de impotência, de vulnerabilidade não é mais exclusividade de quem tem estas páginas na sua história. O mundo inteiro navega nesse barco.


No ano em que o mundo virou de ponta-cabeça, a rotina das mães virou uma montanha-russa. Muitas crianças estão na UTI e outras que tiveram intercorrências no nascimento hoje vivem com sequelas e, neste mar pandêmico, fazem parte do temido “grupo de risco”.


A palavra risco volta a ocupar a boca dos nossos estômagos. Trazendo o medo para o nosso cangote. Como entrar e sair dos hospitais, ordenhar o leite materno em meio a tantas preocupações? Se o filho está em casa, tem leito de UTI na minha cidade?
Nunca a informação foi tão importante. Informação séria, que nos abasteça e norteie.


Encerramos 2020 com uma ponta de esperança: a vacina já começou a chegar em alguns países. Viva a ciência!
Mas o ano já está correndo e nesse imbróglio que embaça a nossa esperança existem muitas perguntas a serem respondidas.


Qual a previsão para vacinação para grávidas e mães que estão amamentando? E para as crianças e adolescentes que fazem parte do grupo de risco? Qual delas será a mais adequada? Quando os testes nesses grupos vão começar?


Mesmo com tantas pesquisas em andamento não ouvimos sequer falarem de nós. Somos invisíveis nesse mar de notícias desencontradas.
E é em meio a tantas incertezas que nós, do Instituto Abrace – ONG criada em 2006, com a intenção de dar apoio às mães de UTI, queremos te dizer que estamos aqui. Juntas somos muitas, e somos fortes. E sabemos que, com o mesmo amor que imprimimos nossas batalhas pessoais, estaremos em busca de respostas.


Vamos atrás de informações adequadas, para compartilhar com vocês. Buscar alguma luz nessa escuridão. Queremos mais uma vez fazer desse, um lugar de abraço. Queremos te ouvir, saber como te sentes. Por fim, desejamos que juntos possamos potencializar a esperança em uma jornada de amor coletivo. Coisa de mãe, sabe?

Maria Julia Miele @maju.miele
Denise Crispim @denisecrispim
Gabriela Mazza @gabiomazza
Instituto Abrace*

*Criado em 2006, o Instituto Abrace é a primeira organização não governamental a formar ume rede brasileira de apoio às mães de UTI e Home Care.

2021 começa com dois nascimentos em ambulâncias da Ecosul

Partos ocorreram dentro das viaturas de Resgate da concessionária neste domingo(3) em Canguçu e Rio Grande

A vida tem pressa. O ano começa com a história de dois bebês que nasceram hoje(3) nas ambulâncias de Resgate da Ecosul, em diferentes locais do Polo Rodoviário Pelotas. Um menino que veio ao mundo no km 139 da BR-392, em Canguçu, e uma menina, que nasceu a poucos passos do Hospital da FURG, em Rio Grande. Ambos chegaram antes do tempo, mas trazendo esperança e alegria para os profissionais de saúde que protagonizaram as histórias.

O pequeno Welington que nasceu na BR-392, em Canguçu, com o auxílio da equipe da SMR da Ecosul (Foto: Divulgação/Ecosul)

As dores nas costas que Jaiane Martes da Rosa sentiu no sábado(2) a tarde eram o prenúncio. Moradora do interior do Canguçu, imaginou que as 35 semanas de gestação ainda iriam mais longe, até acordar na madrugada de hoje(3) com fortes contrações. Arrumou rapidamente a mala e, acompanhada do marido Romário e familiares, e rumaram a caminho do Pronto Socorro. No km 169 da BR-392, logo que deixaram para trás as estradas de chão e encontraram o asfalto, a bolsa estourou. Eram 7h53 quando o esposo acionou o apoio através do telefone do Centro de Controle Operacional (CCO) da concessionária. Imediatamente uma ambulância do Serviço Médico e Resgate (SMR) se deslocou ao encontro da família. Percebendo a angustia, os socorristas Huilson Morales e Alex Cavalheiro agiram rapidamente, com as instruções do médico pelo sistema de rádio. O pequeno Welington nasceu no  km 139 da BR-392, com 2,2 quilos e trazendo muita alegria para a pequena plateia que acompanhou a chegada da vida no meio da estrada. Logo após os protocolos iniciais, a equipe conduziu a mãe e o bebê ao Hospital de Canguçu, onde passam bem. “Nunca imaginei que aconteceria isso comigo, mas foi muito emocionante”, declarou a mãe.

O plantão da noite de sábado(2) estava calmo, segundo a socorrista Fabiana Ferrari Allend, até que a equipe da base do Capão Seco, na BR-392, recebeu um pedido de auxílio. Um casal se deslocava pela RS-471, na proximidade da Reserva do Taim, seguindo para Rio Grande. A gestante, com 39 semanas, estava com fortes contrações. A equipe da SMR se deslocou até o km 26 da BR-392 para aguardá-los. Assim que Fabiana encontrou a paciente e colocou-a no interior da ambulância a bolsa rompeu. A orientação era de leva-la até a Santa Casa de Rio Grande, mas ao chegar lá, a equipe de plantão disse que não poderiam recebe-la. A indicação foi de buscar apoio no Hospital da FURG, que fica próximo. Novamente a impossibilidade de atender a gestante. Foi então que Fabiana percebeu que não havia mais tempo a esperar e fez o parto na ambulância. A menina nasceu nas primeiras horas de domingo(3) e logo chorou, transformando o momento de tensão em comoção. Há três anos trabalhando na equipe da SMR, Fabiana fez o seu primeiro parto nesta madrugada. “Na nossa área de saúde, em meio a tantas coisas difíceis, trazer a vida é realmente um maravilhoso começo de ano”, finaliza Fabiana.

“Na nossa área de saúde, em meio a tantas coisas difíceis, trazer a vida é realmente um maravilhoso começo de ano”

Fabiana Ferrari Allend

Texto: Gabriela Mazza/Satolep Press

ECORODOVIAS – A Ecosul faz parte da EcoRodovias, uma das maiores empresas de infraestrutura rodoviária do Brasil, que vem expandindo ao longo dos últimos vinte anos, sua presença em corredores rodoviários de importação e exportação, bem como relevantes eixos turísticos do país. Atualmente, administra 10 concessões de rodovias, que somam mais de 3 mil quilômetros de extensão em oito estados nas regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste do país. A EcoRodovias é também vencedora do leilão que definiu a concessão do trecho norte do Rodoanel Mário Covas (SP-021), em São Paulo. Além disso, gerencia dois ativos logísticos – um pátio regulador e um terminal portuário – que atendem ao Porto de Santos, o maior do Brasil. Para mais informações: www.ecorodovias.com.br/

Ecosul preparada para Operação Ano Novo

A Ecosul está com suas equipes mobilizadas para atendimento aos usuários durante a Operação Ano Novo que começa nesta quinta-feira(31) e se estende até domingo(3) nas rodovias do Polo Rodoviário Pelotas. A concessionária disponibiliza serviço médico e mecânico gratuitos, com a atuação de 150 profissionais e 24 viaturas à disposição dos viajantes. Para agilidade dos atendimentos o Centro de Controle Operacional (CCO) conta com 15 câmeras de vídeomonitoramento – aparelhos de última geração – nos principais pontos das BR-116 e BR-392. Segundo o gerente de atendimento ao usuário da Ecosul, Felipe Martimiano, é importante lembrar que os cuidados com a pandemia devem ser priorizados e quem optar por pegar a estrada deve reforçar os protocolos sanitários e revisar o veículo. “É fundamental que os condutores tenham estes cuidados e sejam cautelosos durante os deslocamentos, priorizando sempre a segurança”, reforça. 

Foto: Gustavo Vara

No feriado de Natal a concessionária registrou a circulação de 100.305 veículos no período de quatro dias. Durante a operação especial foram registrados três acidentes, sendo que um deles culminou com uma vítima fatal, no km 524 da BR-116. Nos registros da concessionária foram atendidos 143 chamados por panes mecânicas, sendo que 115 veículos foram removidos pelos guinchos da Ecosul para bases de apoio. Também foram atendidos nove usuários que solicitaram o atendimento médico durante os deslocamentos – quatro deles precisaram de remoção para hospitais da região.

COMUNICAÇÃO – O canal de atendimento da Ecosul funciona 24 horas, onde pode ser acionado o atendimento médico e mecânico gratuitamente pelo telefone 0800-724-10-66. A empresa investe em canais de comunicação para manter os motoristas informados sobre as condições do tráfego, obras e eventuais interdições nas rodovias. Basta acessar o site www.ecosul.com.br ou o twitter @ecosul. Os postos de Serviço de Atendimento ao Usuário (SAU) funcionam das 8h30 às 20h30 em diferentes pontos da rodovia e servem de suporte. Estão situados no Cristal (km 430 da BR-116), em Turuçu (km 492 da BR-116), em Arroio Grande (km 607 da BR-116), no Rio Grande (km 52 da BR-392) e em Canguçu (km 125 da BR-392). Os prédios têm estruturas projetadas para suprir as necessidades de apoio aos viajantes, com estacionamento próprio, banheiros, fraldário, café, informações turísticas e espaço para recobrar as energias e seguir viagem com tranquilidade.

Alfajor com sabor da fronteira

Já na primeira mordida dá para sentir o sabor de saudade, boas lembranças e doce de leite. A receita do alfajor criado por Karina Maluf carrega desde as memórias da infância na fronteira com o Uruguai até as viagens de verão para Argentina. Esse passeio entre tempos inspirou a produção destas delícias, característica da culinária dos vizinhos do Rio da Prata. A ideia da confecção dos produtos, da forma mais artesanal, surgiu no meio do ano enquanto ela tomava um café no Mercado Público de Pelotas. “A dona da cafeteria comentou que há tempos tinha um fornecedor de alfajores, mas que havia perdido o contato”, conta. Logo surgiu a iniciativa de relembrar a vivência da gastronomia dos tempos de infância. “Venho de uma família de seis irmãos e fomos criados na fronteira com o Uruguai, onde meu pai tinha um restaurante, então crescemos nesse ambiente de cozinha”, recorda. Quando pequena ela fazia doces para a família e o alfajor, em especial, era o doce preferido.

Quando pequena ela fazia doces para a família e o alfajor, em especial, era o doce preferido.

Fotos: Eduardo Silva

A mistura de influências que povoa a mesa dos gaúchos tem muito da gastronomia dos “hermanos”. Em Pelotas, a cidade conhecida como a capital nacional do doce pela influência dos imigrantes portugueses, abre espaço para as delícias das fronteiras mais ao sul. Os cardápios estão povoados de pratos como pancho, chivito, ou carnes assadas na parrillada, com cortes de assado em tira e usando a lenha ao invés de carvão. Com os doces não poderia ser diferente. Karina lembra que a influência hispânica no Rio Grande do Sul data desde o povoamento. “Com a formação do Uruguai, a questão do comércio de gado com o país vizinho se estendeu e, com o passar do tempo, a cultura gastronômica foi além das disputas territoriais e do churrasco”, analisa.

A receita do saboroso alfajor de Karina tem como base farinha de trigo, amido de milho, entre outros ingredientes básicos, mas guarda um segredo especial, que inclui raspas de limão e uma colherinha de conhaque. Tudo isso misturado com afeto e recheado com doce de leite. Quem resiste?

Serviço:

Encomendas por:

WhatApp: 53 999968704

Instagram: @kmaluf55

Sítio Amoreza: de portas abertas ao turismo

Encravado no interior do Morro redondo, mais exatamente na Colônia Afonso Pena, o Sítio Amoreza é um lugar propício para se recarregar as energias. O espaço nasceu com o conceito interativo de visita, onde os grupos participam da rotina do sítio e vivenciam a agroecologia através do turismo ambiental.

Fotos: Rael Castro

Pedro Vieira, um dos criadores dessa ideia, conta que o roteiro inclui um circuito de atividades que podem variar de acordo com a faixa etária e o interesse. Entre abril e outubro deste ano o empreendimento precisou fechar as portas por conta da pandemia. A retomada das atividades quer proporcionar o contato das pessoas com a natureza, explorando o potencial natural formado por trilhas, cachoeiras, piscinas naturais e locais para descanso.
No momento são ofertadas duas possibilidades de visitação. A primeira ocorre sempre às sextas-feiras e nos sábados, onde os visitantes realizam atividades em trilhas, cachoeiras e piscinas naturais.

No domingo, a experiência oferecida aos visitantes é outra: um almoço majoritariamente orgânico que utiliza itens produzidos por agricultores locais, sem carne. A proposta segue as normas de segurança e utiliza o espaço externo para proporcionar um ambiente seguro aos visitantes. As visitas podem ser agendadas pelo (53) 98448-9909. Mais informações pela página do Facebook: https://www.facebook.com/paginasitioamoreza/

Matéria publicada na Revista Ecosul – edição nov/dez – 2020.

Projeto Verão Ecosul com operação especial no feriadão de Natal

Concessionária tomou todas as medidas e cuidados sanitários necessários para segurança sanitária e de tráfego viário dos usuários do Polo Rodoviário Pelotas

22-08-2014 – Santana da Boa Vista Ecosul NJ

        A Ecosul está mobilizada em uma operação especial de Natal entre quinta-feira(24) e segunda-feira(28) para atender aos usuários do Polo Rodoviário Pelotas que trafeguem pelas rodovias administradas pela concessionária em virtude do feriadão. Aqueles que podem, devem ficar em casa, conforme orientações das autoridades técnicas da área de saúde. Para o atendimento aos usuários a concessionária tomou todas as medidas e cuidados sanitários necessários para segurança de todos que circulam pelos 457,3 quilômetros de estradas administradas pela empresa, por onde passam cerca de 11,6 milhões de veículos por ano.

Durante a Operação Verão a Ecosul disponibilizará diariamente, cerca de 150 profissionais e 24 viaturas. Os viajantes podem contar com o apoio 24 horas da concessionária através do 0800 724 1066. O Centro de Controle Operacional (CCO) utiliza 15 câmeras dome de última geração para o monitoramento eletrônico, em pontos estratégicos das rodovias. Antes de pegar a estrada é fundamental que os motoristas verifiquem as condições dos seus veículos. São cuidados básicos como realizar a calibragem dos pneus, trocar o óleo, revisar a parte elétrica e mecânica dos veículos.

SAU CRISTAL – O posto do Serviço de Atendimento ao Usuário – SAU Cristal, no km 430, da rodovia, no município de Cristal, voltou a funcionar. Durante as últimas semanas o local esteve fechado por conta dos avanços das obras da BR-116/RS, entre Guaíba e Pelotas, de responsabilidade do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). Para conforto durante os deslocamentos é importante informar que os postos de Serviço de Atendimento ao Usuário (SAU) funcionam das 6h30 às 20h30 e contam com todos os cuidados de higiene para garantir a segurança dos usuários.

AGILIDADE – As praças de pedágio aceitam o pagamento com todos os cartões de crédito e débito, facilitando a passagem dos motoristas e oferecendo mais agilidade no atendimento. O sistema de pistas automáticas tem o objetivo de simplificar a vida dos motoristas, permitindo que tenham mais liberdade enquanto dirigem. Por meio de um dispositivo eletrônico (tag) instalado no para-brisa do veículo, o sistema permite a passagem pelas praças de pedágio com abertura automática das cancelas. Mais informações pelo Twitter @ecosul, Instagram @ecosul_ ou pelo site www.ecosul.com.br.

Serviço:

SAU Cristal – km 430 da BR-116/RS

SAU Pelotas– km 492 da BR-116/RS

SAU Arroio Grande – km 607 da BR-116/RS

SAU Canguçu – km 125 da BR-392/RS

SAU Capão Seco – km 52 da BR-392/RS

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑